Capcom traidora?

Por que a Capcom não incluiu o novo Monster Hunter no Nintendo Switch, e como sobreviver a isso.

Um dos eventos que mais vem gerando frenesi na comunidade gamer nos últimos dias foi o lançamento do tão aguardado Monster Hunter World. Se existe uma franquia que causa reações emocionais fortes em seus fãs, é a franquia Monster Hunter. Criada pela Capcom e originalmente lançada para PS2, a franquia de caçadores de monstros ganhou os holofotes no PSP, e alçou voo alto nos portáteis da Nintendo. Devo admitir que o anúncio do Monster Hunter World me deixou bem surpreso, principalmente por não incluir o Switch entre suas plataformas de lançamento. E não foi apenas eu que fiquei surpreso com isso. Fãs de longa data ficaram inconformados com a exclusão da casa do Mario, e digamos, as reações foram um tanto quando exacerbadas.

Muitos jogadores, as vezes por amarem tanto suas franquias, acabam tendo um relacionamento extremamente emocional com o mundo dos games. São os famosos “fanboys”. E quando o assunto é Nintendo, pode elevar tudo isso ao quadrado! Acompanhei diversas páginas de facebook, canais do youtube e vários fóruns de discussão, e encontrava pérolas como “vamos boicotar o jogo”, a “Capcom traiu a Nintendo”, “Esse jogo não vai vender, obrigando a Capcom a lançar para o Switch!”, etc. O principal argumento é que, como o jogo alcançou grande sucesso no 3DS, seria uma traição e “falta de respeito” da Capcom não incluir o Nintendo Switch em suas plataformas de lançamento. Não é bem por ai. Como dizia um amigo meu, “vídeo game não é time de futebol”. Vamos por partes.

Primeiro, como disse acima, Monster Hunter não nasceu nas plataformas da Nintendo. Sua primeira aparição foi no 3DS, e seu sucesso veio no PSP. Um amigo meu, em uma conversa de boteco de fim de semana, lembrou dos encontros no Shopping Tatuapé para jogar Monster Hunter. “Fiz amigos de verdade nesses encontros! Tem caras que falam comigo até hoje, amizades verdadeiras, que surgiram naquela época”. Era a época do falecido Orkut, era a época do PSP. Claro, quando a franquia foi para o 3DS, a febre se tornou mundial, alicerçada, principalmente, pelo expressivo número de vendas do portátil. Mas isso não cria um contrato de exclusividade da desenvolvedora com a Nintendo. Quando a Square Soft (hoje Square-Enix) abandonou a Big N para produzir Final Fantasy no Playstation, o que se ouvia era a mesma coisa: traição.

Sim, amamos muito vídeo games e nos envolvemos emocionalmente com suas criações e criadores. Mas não devemos esquecer de um detalhe importante: são empresas, e a lógica das empresas é diferente do que manda nosso coração. Em nota recente, a própria Capcom justificou a ausência do Monster Hunter World no Switch, dizendo que o desenvolvimento do jogo já estava em andamento quando o novo console maravilha da Big N foi anunciado. Porém, existe outra lógica por de trás dessa ausência.

Será que veremos Monster Hunter World para Switch?Em primeiro lugar, gostaria de deixar claro (e acalmar alguns ânimos): Monster Hunter World vai ser lançado para Switch. Não, não tenho fontes e nem declarações oficiais! Essa é minha aposta, e vou explicar por que eu acredito nisso. Fazia tempo que a Capcom não lançava um MH para consoles de mesas, e decidiu se arriscar, aproveitando a onda do crescimento do multiplayer. Quis pegar carona em sucessos como Destiny e Overwatch. Nada mais lógico do que lançar o novo MH para consoles de mesa e PC. Mas, então, por que o Switch não entrou na lista? Simples, para maximizar seus lucros! Dinheiro meus amigos!

Como Monster Hunter sempre esteve vinculado aos portáteis, talvez o Switch canibalizasse parte das vendas do PS4 e Xbox One. Além do mais, é mais lucrativo deixar para lançar o jogo depois que toda a base instalada da Sony e Microsoft (os interessados, claro) tivesse colocado as mãos no jogo! Quando o lançamento do jogo chegar para a Nintendo, os possuidores do Switch, mesmo que já tenham o jogo para outro console, vão comprar de novo. Como estamos falando de um jogo com alto índice de replay, o apelo da portabilidade, ou como preferirem, “on-the-go” vai fazer com que os fãs comprem o mesmo jogo duas vezes. E ai, mais lucro para a Capcom. Capcom fica mais feliz.

Antes de argumentarem que a Capcom é mercenária, lembre-se: estamos falando de uma empresa. Empresas buscam o lucro, pagam funcionários, acionistas, etc. Não são instituições de caridade. Então, se você apenas tem o Switch, aguarde mais um pouco: sua hora vai chegar. Caso você tenha um PS4 ou Xone, e seja fã da Nintendo: para de frescura. Esqueça esse ódio e ponha as mãos em um dos melhores lançamentos do 2018. Boa jogatina.

Renan, 34 anos com corpinho de 20. O cara mais bonito do site. Jogador veterano, amante de games Old School e Final Fantasy, trabalho nas horas vagas para poder comprar jogos.

Renan Melo

Renan, 34 anos com corpinho de 20. O cara mais bonito do site. Jogador veterano, amante de games Old School e Final Fantasy, trabalho nas horas vagas para poder comprar jogos.

%d blogueiros gostam disto: