Playstation é o Video-Game mais brasileiro de todos os tempos!

Para a galera que está na casa dos 30, uma das lembranças mais marcantes de suas infâncias são aquelas casas de vídeo-games, com vários consoles e TVs dispostos em um grande galpão, onde a pessoa pagava pela hora do direito de jogar. Muita gente é saudosista com essa imagem, e vejo vários memes no Facebook com aquela velha chamada “No meu tempo era assim”. Bulshit! Isso só existia, por que nós, garotos de periferia dos grandes centros urbanos (e alguns do interior) não tínhamos dinheiro para comprar jogos. Nós, em nossa tão sofrida infância gamer, tínhamos que recorrer as locadoras ou a essas casas de jogos. Principalmente quando não tínhamos o console em questão. Eu, possuidor do grande Mega Drive, babava como cachorro na frente de frango de padaria quando via um Mega Man 7 rolando no galpalzinho de jogos. Deixei muitos reias lá, e nunca cheguei a terminar o game. Consegui jogá-lo de verdade muitos anos depois, em um emulador.

Quando ganhei meu Mega Drive, ele vinha com o jogo do Sonic 2. Foi o único cartucho de Mega Drive que tive em toda a minha vida. A não ser que você tenha nascido em uma família de classe média ou rica, as palavras Sega e Nintendo apenas fariam parte do seu vocabulário de forma bem rasa, distante. Era como um sonho inatingível. Porém, tenha você nascido no Morumbi ou nascido e criado no morro da Managueira, a palavra Playstation estava muito, mais muito presente em sua realidade.

Essa é a grande magia que o Playstation, que para mim foi o console mais importante para a indústria dos games, trouxe ao nosso tão combalido país. Hoje existem guerrinhas de fanboys por todos os cantos das redes sociais, e muitos destes (os mais chatos são os Nintendistas) querem trazer para suas empresas favoritas o título de salvadora do mercado; de melhor e maior influência do mundo dos games. Mas se não fosse pelos CDs que vocês compravam na feira, pela bagatela de R$ 10, muitas pessoas não conheceriam franquias como Metal Gear Solid, Final Fantasy e Resident Evil. Sim, foi o Playstation e sua pirataria que fundamentaram a cultura gamer no Brasil.

Não é de hoje que sabemos que produzir cartuchos é caro (ainda existem empresas que insistem nisso). Caro para fazer e caro para adquirir. Imagina conseguir esse mesmo cartucho em 1992, importado? Muitos dizem que o grande boom do gigante console da Sony foi fruto de uma estratégia de facilitar a pirataria, para que o console pudesse penetrar nos mercados de terceiro mundo. Não discordo desse boato, e acredito que ele tem um certo tom de veracidade. Mas se for, foi uma aposta acertada.

Acho estranho quando os jovens velhos dizem que o Mario é o maior ícone dos Videos Games. Eu só fui jogar um jogo do Mario nos anos 2000, em emuladores. Mas três anos antes eu já tinha zerado o Final Fantasy VII umas dez vezes. Para quem não sabe, o projeto do Playstation data do fim dos anos 80. Ele é resultado de uma traição seguido de uma rejeição. O console estava pronto graças a uma parceria da Sony com a Nintendo. Nos 2 minutos do segundo tempo a “Big N” joga tudo para o ar e anuncia uma parceria duvidosa com a Panasonic. Depois dessa humilhação, a casa do Playstation corre para a Sega e escuta um sonoro “não”. O Argumento, segundo entrevista do saudoso Toma Kalinske, facilmente encontrada no youtube, era de que a Sony não entende nada de vide-games. Com o orgulho ferido, ela resolve entrar no mercado sozinha e esse mesmo mercado nunca mais foi o mesmo.

O Playstation conta com mais de 2400 títulos, contra 260 do poderoso Nintendo 64. O Playstation 2 foi o console mais vendido da história; depois de GTA e Call of Duty, o passatempo que antes era atribuído a gordinhos espinheitos agora era popular entre aquele rapazola descolado, “muleque piranha” da quebrada. Até as meninas, que antes apontavam o dedo para os nerds, agora brigavem pela posse do controle. Um simples passatempo se tornou na indústria de entretenimento que mais fatura no mundo. E hoje, entramos na estação Paulista da linha amarela e deparamos com uma propagando do Far Cry 5 estampada nas portas do metro! Ainda tem gente que reclama por que este, que é o console mais brasileiro de todos, faz tanto sucesso por essas terras! Que viva o Playstation!

Renan, 34 anos com corpinho de 20. O cara mais bonito do site. Jogador veterano, amante de games Old School e Final Fantasy, trabalho nas horas vagas para poder comprar jogos.

Renan Melo

Renan, 34 anos com corpinho de 20. O cara mais bonito do site. Jogador veterano, amante de games Old School e Final Fantasy, trabalho nas horas vagas para poder comprar jogos.

%d blogueiros gostam disto: