Se decepcionou com a E3? A culpa é da Sony!

Segunda-feira consegui folga no trabalho apenas para o grande dia. Comprei um saquinho de fandangos e algumas cervejas. Era o grande dia! Primeiro, teríamos a convenção da Square-Enix, da Ubsoft e da Sony. O hype era grande. Eu particularmente esperava algo sobre o Final Fantasy VII Remake. Mas pelas conferencias anteriores eu já desconfiava que algo não seria como eu aguardava. O primeiro problema foram os vazamentos. A maioria dos grandes anúncios, incluindo aí o maravilhoso Assassins Creed Odyssey, que era algo que eu também esperava. O Walmart quem diga, não é?

A convenção da Square-Enix foi sem sal, com alguns anúncios que já conhecíamos e mais um banho de Kingdom Hearts. A apresentação da Ubsoft até que foi legalzinha, o problema foi que não surpreendeu. E sim, nós esperávamos muitas surpresas – e fomos desapontados.

Mas será que a E3, esse que é o evento mais esperado do ano por todos os gamers desse mundão, foi tão ruim assim? Na verdade, não foi.

O grande problema desta conferência na verdade foi a falta de grandes novidades bombásticas. Essa falta de novidades se deu pelos vazamentos (que foram muitos) e pelas expectativas erradas que nós, gamers, criamos, principalmente em relação à apresentação da Sony. Sabemos que os anos anteriores foram bombásticas, e isso nos acostumou mal. Porém, se pararmos para pensar, a coisa não foi tão palpável assim – as conferencias estavam se transformando em verdadeiros espetáculos, sem nada de concreto. É só parar para pensar: grandes anúncios que levaram fãs aos delírios não passaram de anúncios – o que temos de concreto, afinal, sobre Final Fantasy VII Remake e Last of US? Nem sequer data de lançamento. O absurdo é que são jogos anunciados em 2015 e 2016. Lembra daquelas enquetes que rolam na rede sobre quem foi o grande ganhador da E3? Estamos acostumando mal algumas empresas…

Lembro-me de ter sido avisado por um amigo, via mensagem de celular, em meados de 2015, que algo estava acontecendo. Até então eu não dava a mínima para a E3, pelo menos não da maneira que o pessoal faz agora. Lembro-me de ter conectado o Youtube e caído em prantos quando Final Fantasy VII Remake, meu jogo preferido de todos os tempos, foi anunciado de forma tão pomposa e espetacular. Um trailer com referências, os personagens, e o dizer final “não sabemos o que saíra dessa reunião, mas a promessa foi feita”. Para os desafinados, o termo reunião é usado desde o spin off Advent Children para referenciar a reunião dos personagens depois do fim do primeiro jogo. Todo spin off e fan service é tratado pelo título de reunião (reunion). Mas o que tivemos de concreto até agora? O desenvolvimento foi recomeçado de zero a um ano atrás. Quando veremos esse jogo?

A mesma coisa com o Last of Us II, apesar de que eu considero o Naught Dog e a Santa Monica estúdios mais sérios e respeitosos com seus fans. Eles não costuma decepcionar no que eles entregam. Tanto que, uma das bombas da E3 de 2017 já está na mão da maioria dos jogadores.

Eis que, meu ponto, a espetacularização da E3, encabeçado principalmente pela Sony e ratificado por nós, com essas campanhas de “quem foi o melhor” transformou a E3 em um evento envolto em ansiedade e expectativas, que acabou parando o mundo gamer. Isso é bom, na medida que reúne mais a comunidade, porém a parte da “expectativa” é ruim. Eu mesmo me dobrei para conseguir um dia de folga no meu serviço, aguardando mais um anúncio bombástico. Por isso acho que a E3 desse ano foi morna, decepcionante, mas foi correta. A Sony, grande carro chefe da espetacularização da conferência deu um passo para trás e resolveu apresentar algo mais comedido. Por isso nossa grande decepção.

É de conhecimento de todos que os jogos AAA, grandes produções em orçamento, risco e pessoas, levam tempo para chegarem às prateleiras. A não ser em estúdios descentralizados, como a Ubisoft e EA, onde vários núcleos trabalham em um grande título ao mesmo tempo, normalmente o esforço das produtoras demanda tempo. É só olhar as entrevistas do produtor de God of War depois que o jogo foi lançado. O cara está esgotado! Portanto acho conveniente sim as empresas pararem um pouco com anúncios de jogos que ainda estão na prancheta e deixar para anunciar assim que tiverem perto do lançamento. Não acha justo?

O que fazer daqui pra frente? Será que irei pegar folga do trabalho para acompanhar a conferência de novo? Não sei, minha consciência diz que não. Mas na verdade ainda tenho planos de assisti-la no exterior. Bom final de semana a todos.

Renan, 34 anos com corpinho de 20. O cara mais bonito do site. Jogador veterano, amante de games Old School e Final Fantasy, trabalho nas horas vagas para poder comprar jogos.

Renan Melo

Renan, 34 anos com corpinho de 20. O cara mais bonito do site. Jogador veterano, amante de games Old School e Final Fantasy, trabalho nas horas vagas para poder comprar jogos.

%d blogueiros gostam disto: