Usamos o Team Xecuter SX-OS Pro! Veja o que achamos.

Bem, finalmente coloquei as mãos nessa belezinha do mundo hack, o famoso kit SX-OS da Team Xecuter para o Nintendo Switch. Fazia uma semana que eu usava o ReinX, porém a portabilidade do Dongle, o Jig profissional e as constantes atualizações e costumização me fizeram optar pela OS paga. O sistema deles é bem organizado, tem opção de instalação de arquivos .nsp e deletar após a instalação, além do modo stealth e de atualização via console. Isso deixa seu SDCard mais limpo, sem necessidade de encher ele de pastas e arquivos. Tudo que precisa é colocar o arquivo boot.dat, que você baixa do site oficial do TX, fazer o modo RCM, conectar o Dongle e pronto! A OS é instalada. Depois, só gerar a licença e só diversão. Iremos fazer um Review do kit, sem muitos detalhes técnicos, para que está pensando em usar ou migrar para o OS pago. Vale lembrar que você não vai encontrar um tutorial de instalação aqui (isso tem no manual de instrução, em português, no site da Team). Também gostaria de lembrar que não incentivamos a pirataria de forma alguma! Nunca utilizamos jogos piratas, nem na época do PS2. Além disso, nunca baixamos filmes, séries, animes ou músicas, nem sequer utilizamos roupas com marcas não autorizadas. Somos contra a pirataria, em qualquer forma. Nem Wi-Fi alheio usamos! Você pode comprar jogos originais da e-shop diretamente do seu console. A Nintendo oferece jogos a preços de mercado, que podem ser comprados em reais com cartões de crédito nacional. Além disso, toda semana tem oferta; de vez em quando tem flash-sale, onde você encontra vários jogos bem baratos. E os jogos antigos tendem a cair de preço. Mesmo no mercado livre você encontra mídia física em preços bem bacanas. Então, não há motivos para usar jogos piratas, ok?

Por fim, caso resolva realizar o procedimento, lembre-se que é por sua conta e risco. Não nos responsabilizamos por nenhum problema. Apesar de que não houve casos de brick, o risco maior é ser banido dos servidores da Nintendo, apesar de que esse risco vem sendo diminuído com as constantes atualizações do software da team. Bem, chega de papo e vamos ao Review.

Overview: como tudo funciona.

O hack do switch é muito simples. Ele se aproveita de uma falha (sploit) do chip da Nvidia, que possibilita você colocar o console em modo de depuração (RCM). O modo de depuração existe em qualquer equipamento moderno de informática, e permite que técnicos e desenvolvedores possa modificar o sistema. Nesse modo, o sistema operacional da Nintendo (Orizon) não inicia, e a partição de boot é mudada para o cartão MicroSD. O que os hackers fazem é deixar um sistema operacional modificado no cartão, e injetar um playload via USB para que o console inicie no modo customizado (custom firmware). Esse modo é livre de restrições, o que permite você rodar homebrews (programas caseiros) backups de jogos e instalar jogos não autorizados. Esse é o esquema geral. E como é feito para que o console inicie nesse modo de deputação. Está ai a falha. Ao ligar os pinos 10 e 01, ou 09 e 01 da entrada do seu joycon direito, apertar o + e o botão power, o modo é habilitado. Daí em diante a mágica acontece.

O KIT Team Xecuter SX-OS Pro.

Existem algumas formas de desbloqueio gratuitos que funcionam incrivelmente bem, porém o método da Team Xecuter (TX) é pago, habilitado via compra de uma licença ou do kit pro. Na compra simples, você baixa o OS, compra e habilita a licença e se vira para fazer ou comprar seu jig e injetar a payload. Para injetar a payload você pode usar um PC ou um celular android. Para fazer um jig, você pode utilizar um clip de papel. Existem centenas de tutoriais espalhados no youtube ensinando como preparar tudo, caso queira. Essa modalidade, obviamente é a mais barata. Comprando o kit pro, você ganha a licença, o injetor de payload (Dongle) e um jig profissional, que não vai danificar os pinos da entrada do joycon.

Eu fiquei impressionado com a qualidade do material. O Dongle é feito de uma espécie de plástico emborrachado, que evita que ele escorregue de sua mão. Ele é tão pequeno, que pode ser levado facilmente junto do switch na case. O Jig é a estrela da vez. O material é resistente e tem acabamento profissional, e os dentes de metal são pequenos e bem posicionados, não agredindo ou riscando os pinos do console. Ele é fácil de colocar e funciona já na primeira tentativa, diferente das gambiarras com clipes que exigem algumas tentativas.

Uma das grandes questões do desbloqueio no momento em que ele está, é que assim que você desligar ou reiniciar o console, todo o processo é desfeito, fazendo com que você tenha que repetir tudo para poder utilizar a cfw. Uma das soluções é deixar o console constantemente em modo de repouso quando não estiver utilizando. Outra, é instalar o auto-RCM. O auto-RCM deixa seu console em modo RCM assim que você desliga ele. Quando você tentar liga-lo, ele não iria iniciar, ficando preso em uma tela preta. Para liga-lo, você vai precisar injetar a payload via dongle, PC, ou celular. Esse mecanismo evita que você precise utilizar o jig novamente, porém pode causar alguns contratempos caso você deixe a bateria de seu console descarregar. Mas não se preocupe, nada de terrível irá acontece. Eu fiquei preso uma vez no modo RCM sem nem sequer conseguir injetar o payload. Fui procurar ajuda na comunidade e descobrir que bastava segurar o botão power por 30 segundos e o console voltaria a aceitar o payload. Tudo tem jeito, sempre.

Agora, com o kit pro você não precisa deixar o console no auto-RCM, pois o jig profissional da team deixa tudo mais fácil e não agride os pinos do console. É uma opção para quem não quer ter surpresa caso seu console descarregue a bateria. O Dongle da TX (Team Xecuter) vem com um cabo USB-B, mas não precisa recarregar. A bateria interna dele é apenas para dar uma pequena carga ao injetar o payload. Assim, você só precisa deixa-lo carregando por cinco segundos e voilà – good to go!

Sistema e suporte

Outra coisa que me chamou atenção foi o sistema da Team. É tudo muito limpo e organizado. Acessando o álbum, você entra no menu da TX, onde você encontra tudo o que precisa. Para quem não quer encher o console de gambiarras, é uma boa pedida. Caso você opte pelas gambirras, é só acessar o álbum segurando o botão R que entrará na tela de Homebrew. Caso queira ver o álbum da Nintendo, acesse ele segurando o botão L. Com esse sistema você pode acessar arquivos .xci, que são backup de jogos. Ele emula o jogo como se fosse um cartuchinho. O bom desse método é que você só deixa o arquivo no MicroSD, sem precisar instalar. Caso queira instalar o jogo, é só usar o menu de instalação. Nesse caso, seu jogo precisa estar em extensão .nsp e ira funcionar como um jogo comprado da e-shop. Não é muito dizer que essa segunda modalidade aumenta o risco de ban caso você entre nesses jogos online. Mas mesmo os casos de superban (não poder mais atualizar o console) estão sendo resolvidos, já que a comunidade arranjou um jeito de atualizar o console off-line. Os caras são tão “ratos” que eles já possuem a atualização 6.0 da Nintendo, e fizeram três atualizações do desbloqueio para que os pirateiros não tenham problemas mais tarde. Como o desbloqueio é uma falha física, muito mas muito dificilmente a Nintendo vai conseguir reverter via atualizações. Só fabricando consoles novos (isso ela já está fazendo).

Quanto ao suporte, o team está constantemente lançando atualizações de melhoria. Essas atualizações são feitas com base no feedback da comunidade e sempre resolvem os problemas que aparecem. Está sendo preparada uma grande atualização do desbloqueio, e muitos dizem que talvez essa traga suporte para jogar jogos em HD externo. Vamos esperar. Sobre o atendimento, eu ainda não precisei de suporte online deles. As pessoas que disseram terem precisado, não tiveram problemas. Eles dizem que o TX é bem acessível. Além disso, existem alguns grupos no facebook e whatsapp em que a galera está sempre pronta para ajudar. É uma comunidade bem acolhedora.

Como adquirir

Existem duas formar de aquisição, via o revendedor oficial, o site R4ds (www.r4ds.com.br), onde você encontra ele por R$ 200, porém eles demoram um pouquinho para entregar. A outra forma, é o velho e bom mercado livre. Lá você encontra por 270 à 300 reais, e o prazo de entrega é bem, mas bem menor. Não é um preço muito bom em ambos os casos, mas é comparável ao preço de um jogo de console. Lembrando que existem outros sistemas gratuitos e a própria tema vai lançar ainda esse mês um dongle exclusivo para quem quiser injetar payloads de outros desbloqueios; claro que você pode fazer sua gambiarra. Ouvi dizer que existe um modo de transformar pendrive em injetor de payload. É tudo questão de pesquisar.

Resumindo

O grande foco desse produto é a praticidade e a constante atualização. A team está sempre lançando novidades e implementando o OS deles com ferramentas muito úteis. A portabilidade de poder levar o dongle junto com você, exclui a necessidade de computadores para fazer o processo. Sem contar que o jig deles é sensacional! É uma opção para quem quer entrar para o mundo hack sem precisar gastar horas em tutoriais ou não possui um conhecimento de informática apurado para fazer gambiarras. O grande problema é o preço, que acaba sendo salgado, pois o produto é importado. Mas para quem tem um console onde os jogos podem chegar a custar R$ 400, talvez seja um bom investimento mesmo assim. Fica a dica.

Renan, 34 anos com corpinho de 20. O cara mais bonito do site. Jogador veterano, amante de games Old School e Final Fantasy, trabalho nas horas vagas para poder comprar jogos.

Renan Melo

Renan, 34 anos com corpinho de 20. O cara mais bonito do site. Jogador veterano, amante de games Old School e Final Fantasy, trabalho nas horas vagas para poder comprar jogos.

%d blogueiros gostam disto: